10 desafios para construir um bom chatbot

O Processamento de Linguagem Natural (PLN), leva os chatbots além das árvores de decisão desajeitadas a um novo nível de experiência caracterizado pelo fluxo cognitivo e o início de uma nova onda de aplicativos. A democratização da PLN para as massas e a sofisticação dos canais de bate-papo deram a esses tipos de aplicativos um novo impulso em popularidade e interesse.

 

Embora poderosa, a PLN sozinha não resolve todos os desafios associados à construção de um chatbot. A PLN, com todo o seu poder, oferece apenas uma parte das características de um chatbot.

 

Podemos elencar as seguintes partes da anatomia de um bom chatbot:

 

DESLUMBRADOS COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL? CUIDADO

Tenho visto muita gente que está deslumbrada com as panelas da cozinha e está esquecendo da comida que está preparando.

Sabe qual é o problema? Não adianta ficar deslumbrado com o ovo, com a farinha, com o fermento, e com o leite. Tem que ficar deslumbrado é quando o bolo estiver pronto!

Ainda outro dia vi uma discussão onde alguém comparava se o seu chatbot era melhor que o dos outros, só por que entendia melhor as respostas recebidas. Tá bom. Vai lá. É importante ter um motor de processamento de linguagem natural melhor que o do concorrente.

Mas, medir a eficiência (e principalmente a eficácia!) do chatbot pela capacidade de ele entender o que alguém digita? E se ele for baseado em cards, e você só selecionar itens de uma lista? Não vale? Não cumpre o papel de ser um atendente virtual? Não resolve seu problema? Não tem inteligência?